Anuncio!


FOTO: REUTERS/Athit Perawongmetha/02.10.2018
A agência para os desastres naturais da Indonésia confirmou nesta terça-feira (2) que o número de mortos pelo terremoto seguido de tsunami que atingiram a ilha de Sulawesi já chega a 1.234.
Autoridades acreditam que o número ainda pode aumentar à medida que as equipes de busca consigam entrar para o interior da ilha e alcançar áreas remotas que têm estado isoladas desde que o terremoto de magnitude 7,5 provocou um tsunami na sexta-feira.
Até o momento, a maior parte das vítimas fatais confirmadas é de Palu, capital da província de Sulawesi Central.
O presidente da Indonésia, Joko Widodo, pediu reforços para uma busca desesperada por sobreviventes.
“Há algumas prioridades que precisamos enfrentar e a primeira é retirar, encontrar e salvar vítimas que ainda não foram encontradas”, disse Widodo durante reunião do governo para coordenar esforços de resgate.
Fornecimento de água e combustível
O presidente disse ter ordenado que a agência nacional de busca e resgate envie mais policiais e soldados aos distritos afetados, alguns isolados por estradas e pontes destruídas e por deslizamentos de terra.
Uma das prioridades da agência de emergências é levar água potável para os milhares de pessoas que estão desabrigadas. Caminhões-tanque são despachados para diversas localidades.
O fornecimento de combustível também tem sido feito de maneira emergencial. Muitas partes da ilha estão sem energia.
Confusão generalizada e busca por desaparecidos
Autoridades do governo informaram que cerca de 1,2 mil presos fugiram de pelo menos três prisões durante a confusão. Além disso, sobreviventes da tragédia estão saqueando lojas de alimentos para conseguir água e comida.
Em meio a esta confusão, muitas pessoas buscam informações sobre parentes e amigos desaparecidos. A Cruz Vermelha na Indonésia tem ajudado na identificação de vítimas e criou um serviço online de buscas.
Além de procurar o nome dos desaparecidos, é possível também marcar a si mesmo como “seguro”.
O desastre ocorreu pouco tempo depois de as autoridades da Indonésia terem retirado um alerta de tsunami após o terremoto, que foi registrado a 80 quilômetros da costa. O erro pode ter atrasado a evacuação das áreas de risco.
Fotos: Muhammad Adimaja / Antara Foto via Reuters / 1.10.2018
R7

Postar um comentário