Escala de pagamentos foi planejada para a quitação dos débitos com os servidores

A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), se reuniu no início da tarde desta segunda-feira (7) com servidores públicos e representantes do Poder Executivo para discutir o pagamento do salário. A reunião foi solicitada pelas 18 entidades que compõem o Fórum Estadual de Servidores Públicos do RN. Fátima Bezerra anunciou que o estado deve pagar até o dia 10 o valor referente a 30% do salário dos servidores.
O restante do valor referente ao primeiro mês do ano deve ser quitado até o dia 31 de janeiro. O mesmo está previsto para acontecer no mês de fevereiro. O governo está com os salários de novembro atrasados para quem ganha acima de R$ 5 mil, além do valor referente a dezembro de todos os servidores. Parte do 13º de 2017 e o 13º de 2018 também estão pendentes. Juntas, de acordo com o governo, as folhas em atraso somam quase R$ 1 bilhão.
A governadora anunciou as medidas que já estão sendo tomadas para resolver as questões fiscais com os servidores. “Várias iniciativas já estão em curso, como a antecipação de royalties e a renegociação da folha”. Ela ainda acrescentou, “Todo recurso extra que entrar nos cofres do estado e, sendo liberado, será transferido integralmente para quitar as dívidas com os servidores.”
A proposta não agradou os sindicalistas que estavam presentes na reunião. Uma assembleia está agendada para à tarde desta segunda-feira no Fórum dos Servidores. Na terça-feira (8), às 15h, os representantes das entidades participarão de uma audiência com o secretário de administração.
O secretário de administração, Aldemir Freire, esclareceu que o governo pensou na melhor maneira de resolver a questão do pagamento dos servidores e, acrescentou falando sobre os débitos anteriores. “Reconhecemos a importância da quitação dos débitos anteriores, mas os valores não cabem nos recursos atuais.
O presidente do Sindicato dos Policiais Civis do RN, Nilton Arruda, disse que “a proposta é muito dura e, que a categoria não deve reagir de forma agradável com a declaração da atual gestora do estado”.