Foto: TV Record Minas/Reprodução
Foto: TV Record Minas/Reprodução
O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais afirmou que cerca de 200 pessoas estão desaparecidas após o rompimento da barragem 1 da Mina Feijão, da mineradora Vale, em Brumadinho no início da tarde desta sexta-feira (25).
Segundo a empresa, a área administrativa, onde estavam funcionários, foi atingida, assim como a comunidade da Vila Ferteco. A lama agora começa a chegar ao centro do município, pelo leito do Rio Paraopebas, que abastece 6 milhões de pessoas. Por enquanto, quatro pessoas foram socorridas e encaminhadas ao hospital.
Um sistema de Comando de Operações foi estruturado no Centro Social do Córrego do Feijão, nas proximidades do campo de futebol e da igreja católica da cidade. Em nota, os Bombeiros informaram que “vários órgãos, principalmente de segurança pública, estão no local e em reunião neste momento definindo as estratégias de atendimento”.
O acidente aconteceu na altura do km 50 da Rodovia MG-040. Os bombeiros enviaram equipes com policiais civis e militares, com enfermeiros e medicamentos, além de cinco aeronaves e um helicóptero. Também foram acionados militares do Batalhão de Emergências Ambientais e Resposta a Desastres (Bemad).
Veja o momento do resgate captado pela Record TV Minas:
Hospital monta esquema de emergência
O Hospital João XXIII, ligado à Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig), informou que, às 15 horas, duas vítimas do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho, do sexo feminino foram atendidas no local. A unidade disse que elas estão conscientes e o estado de saúde é estável. As pacientes passam por avaliação.
O hospital acionou um plano de atendimento para múltiplas vítimas de catástrofes. Hoje “casos não relacionados a esta tragédia serão encaminhados para outras unidades de emergência para que sejam priorizadas no hospital as vítimas do acidente”, solicitou, em nota, a diretoria do hospital.
Rejeitos podem atingir até Furnas
A estatal Furnas, do grupo Eletrobras, monitora a chegada dos rejeitos da barragem de Brumadinho (MG) em sua hidrelétrica Retiro Baixo, que funciona no Rio Paraopeba, podendo comprometer as operações da usina. A barragem da usina hidrelétrica Retiro Baixo, confirmou a Agência Nacional de Águas (ANA), está localizada a 220 km do local do rompimento e “possibilitará amortecimento da onda de rejeito”. Segundo a ANA, “estima-se que essa onda atingirá a usina em cerca de dois dias”.

via op9