Poema de Vanecilio, poeta da cidade de Barcelona




Chegando o mês de janeiro
De repente muda o clima,
O sertanejo se anima
Limpando açude e barreiro,
Da chuva sentido o cheiro
Do sereno sobre o chão,
E já escutando o trovão
E o cantar da passarada;
Anunciando a invernada
Nas quebrada do sertão.

Se vê pulo de preá,
A farra do bem-te-ví,
O canto da juriti,
Do campina e sabiá,
E num pé de trapiá
O canto de um azulão,
Na umburana o gavião
Se coça pra se aquecer,
Isso tudo a gente ver
Quando chove no sertão.

O cantar de uma rolinha
No galho de uma Jurema,
O canto da seriema
Despertando a manhãzinha,
E o nambu de tardezinha
Mostrando sua esperteza,
Canta alegre com firmeza
Sentindo a chuva chegar,
Pra o sertão se transformar
No verde da natureza.

E na primeira chuvada
De dezembro pra Janeiro,
Fica verde o marmeleiro
A catingueira folhada,
A asa branca faz revoada
Pra fazer reprodução,
E nessa transformação
A caatinga se enverdece;
E o sertanejo agradece
Pela chuva no sertão.

Vanecilio Paulo
Barcelona-RN